O projeto será votado diretamente no plenário da Casa sem passar por análise de comissões relacionadas ao tema do projeto - 13/06/2024

Câmara aprova urgência de projeto que equipara aborto a homicídio

plenário da camara                                                            Votação foi simbólica e aconteceu no plenário da Câmara nesta quarta-feira - Foto: Reprodução                                                                                                                                                                                            Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira 12 a tramitação em regime de urgência de um projeto que equipara aborto a homicídio. Com a urgência, o projeto será votado diretamente no plenário da Casa sem passar por análise de comissões relacionadas ao tema do projeto. A votação foi simbólica. Alguns parlamentares sequer perceberam o que estava sendo definido. Houve reclamações sobretudo do PSOL, que é contrário à iniciativa. Agora, caberá a Lira definir a data para votação do projeto. O texto equipara o aborto a homicídio quando realizado após a 22ªsemana e com o procedimento de assistolia fetal, que consiste no uso de medicamentos para parar os batimentos cardíacos do feto. A medida proíbe inclusive o aborto em casos de estupro caso seja realizado depois desse período. 

Hoje, o aborto não é considerado crime em três situações: se o feto for anencéfalo, se a gravidez for fruto de estupro e se a gravidez impuser risco de vida para a mãe. 

Fora desses casos, o aborto é considerado crime. Equiparar a homicídio torna a prática um crime de penalidades muito mais duras. Com a mudança, a realização do aborto poderá ser punida com uma pena maior do que a do estupro. 

Em um caso hipotético de uma mulher adulta vítima de estupro e que interrompa a gravidez após a 22ª semana, é possível que ela seja condenada a 20 anos de prisão, enquanto o seu estuprador fique entre 6 e 10 anos preso. Fonte Agora RN

Faça Seu Comentário:

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

 

Comentários

disse:

em 01/01/1970 - 12:01